Com o passar dos anos e a facilidade de compras online, o volume de entregas nos condomínios aumentaram significativamente. Principalmente devido à pandemia essas entregas viraram hábitos rotineiros, com conteúdos que variam desde pequenas entregas como refeições por aplicativos de comida e farmácias ou até encomendas maiores.

De um lado está a comodidade de receber em casa o que se compra pelo telefone ou pela internet, e de outro está a segurança interna dos condôminos.

Nesse caso, cabe ao síndico identificar a forma mais adequada à realidade do seu ambiente condominial. A regra para o recebimento de encomendas deve estar no regulamento interno ou ser decidida em assembleia para conhecimento geral.

Além disso, o síndico deverá sempre orientar os funcionários do condomínio neste sentido e, se for o caso, informar o morador sobre a regra existente.

A maioria dos condomínios tem como sugestão a permanência dos entregadores do lado de fora do condomínio durante o processo de entrega. Deste modo, o morador precisa ir até ele para retirar o pedido.

A segurança coletiva deve prevalecer sobre a vontade e o conforto individual, por isso neste caso, todo esse processo é feito alegando questão de segurança e não permitindo a entrada de desconhecidos nos ambientes internos dos condomínios

Uma possibilidade para resolver  o problema de quem não deseja a presença de estranhos no condomínio é a contratação de um entregador interno. Assim, os moradores não precisam, acompanhar pessoalmente a movimentação da entrega.

A informação sempre será uma ferramenta muito importante durante esse processo, síndicos, funcionários e moradores devem estar cientes sobre direitos e deveres e conversar, sempre que possível, sobre o assunto.

Fonte: Revista Síndico