Na maioria dos condomínios, as eleições para síndicos ocorrem voluntariamente com vários interessados em exercer esse cargo de responsabilidade, há outros locais, porém, onde falta tempo, conhecimento ou até interesse da parte dos moradores para ocupar a vaga.

Em casos onde não há interessados em ocupar o cargo de síndico, o condomínio precisa contratar o síndico profissional. Grandes empreendimentos, com várias torres, ou condomínios com pouquíssimas unidades são os que mais procuram a ajuda desse profissional.

 

CARACTERÍSTICAS

Como irá tratar principalmente com pessoas e famílias, o síndico profissional deve ter características de liderança e organização, ser paciente e saber ouvir os anseios e pedidos dos moradores.

A boa comunicação entre o síndico profissional e os moradores também é fundamental.

O ideal para um síndico profissional é que ele tenha conhecimentos de administração de empresas, contabilidade, direito e recursos humanos. Infelizmente, como não há uma certificação básica para a função, algumas entidades costumam oferecer cursos e capacitação para síndicos em geral para colaborar com o exercício da profissão.

DIA A DIA

Em geral, o síndico profissional não atua em apenas um condomínio. Ele tem alguns clientes e se reveza entre os empreendimentos. Seu pagamento depende das horas gastas não apenas dentro do condomínio, mas também resolvendo assuntos relativos ao local.

Como o profissional será um prestador de serviços do condomínio, é de extrema importância saber quem ele é. Procure se informar com outros clientes, ter conhecimento de como é executado o serviço, o cotidiano dele no trabalho, o relacionamento com moradores, o trato com os funcionários.

Ele também deve apresentar certidões atualizadas do INSS, Receita Federal, Previdência Privada, prefeitura e cartórios de protesto. Como ele irá atuar como prestador de serviços, cheque também a situação financeira da empresa.

Para tomar posse do cargo, o síndico profissional deve ser eleito, como qualquer síndico, por meio de uma assembleia. O ideal é que nesse encontro os moradores e o futuro síndico alinhem suas expectativas para o futuro, evitando problemas provenientes da falta de diálogo.

Contratar um profissional que não tenha gabarito suficiente para exercer a função é um grande risco para o condomínio. Um síndico sem qualificação pode deixar o condomínio acéfalo: com seguros vencidos, por exemplo, ou com dívidas trabalhistas que não foram pagas.

FONTE: www.sindiconet.com.br